Avanço na indústria tira setor da recessão

A crise econômica que coloca em estado de cautela diversos empresários e contratados pode estar demonstrando uma queda progressiva. A Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, divulgada no primeiro dia de novembro, revelou que no mês de setembro a produção da indústria teve alta de 2,6% em relação ao mesmo período ano passado.

O ano que já havia começado de uma maneira negativa com quedas significativas, demonstrou um avanço progressivo. A alta foi de 0,2% se comparado setembro com agosto. Durante nove meses, somente dois demonstraram uma variação negativa em relação ao mês anterior.

No mês de setembro houve uma alta da produção em um acumulado de 12 meses, chegando a 0,4%, o que interrompeu um ciclo de 39 meses de quedas consecutivas. Por causa dessa melhora, analistas consideraram um possível fim da recessão na indústria. Apenas em maio de 2014 houve uma alta nessa base acumulada.

Desde 2014 a indústria vinha com uma queda que apenas foi percebida no PIB (Produto Interno Bruto) nos efeitos da crise em 2015 e 2016. Será preciso mais avanços para o país se recuperar das diversas perdas dos três anos passados. De acordo com o IBGE, o nível da produção atual chegou no mesmo ponto que estava em 2008.

Houve uma queda na indústria de 3%, 8,3%, 6,4%, respectivamente nos anos de 2014, 2015 e 2016. Durante os noves primeiros meses deste ano, a alta atingiu 1,6%. A LCA Consultores está prevendo uma alta de 2% neste ano.

Desde 2013, o mês de setembro desse ano apresentou um avanço significativo. O que está acontecendo nesse momento da indústria pode ser entendido de uma forma mais simples como uma descida de dez degraus nos últimos três anos, e agora a subida de um, esse degrau já é suficiente para tirar a indústria da recessão, mas não é capaz de trazer uma recuperação das perdas.

Nesse momento existe uma nova fase da recuperação para a indústria. Nos últimos cinco meses os índices mostraram um crescimento mais firme. Com o setor de exportações os resultados no mercado interno estão propiciando melhorias dignas de atenção.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *