Upgrade do vírus que atacou vários países atinge fortemente a China

O Departamento de Segurança Pública e a Comissão Municipal de Economia e Tecnologia da Informação de Pequim divulgaram a existência de um upgrade do vírus que atingiu vários países no dia 12/05/2017, numa sexta-feira. Segundo o comunicado oficial, as medidas de segurança realizadas no dia do ataque, não foram suficientes para evitar a infecção dessa nova versão.

Em razão do fuso-horário, a Ásia foi menos atingida pelo ataque cibernético da sexta-feira, porem na segunda-feira seguinte, 15/05, o ataque se espalhou afetando principalmente a China. Foi reportado que pelo menos 40 mil instituições foram vitimas, dentre elas, 4 mil instituições acadêmicas. É possível que esses dados sejam ainda maiores, se forem considerar os elevados números de softwares piratas.

A PetroChina, grande petroleira, desligou seu sistema em todo o país por causa do WannaCry 2.0, upgrade do vírus. Os consumidores de combustível apenas puderam realizar pagamentos via dinheiro por muitas horas. Na cidade de Yang, o departamento de trafego desconectou-se da internet a fim de evitar maiores problemas.

No Japão, a abrangência foi em mais de 2 mil computadores, pelo menos 500 empresas foram afetadas, entre elas: Hitachi e Nissan. A Hitachi teve um grave problema com o seu correio eletrônico. Na Coreia do Sul, uma rede de cinema esteve dentre os atingidos.

Entenda o primeiro ataque

Na sexta-feira, dia 12/05/2017, um vírus de computador afetou mais se 100 países, causando graves problemas em todo o mundo. Dentre os atingidos: o Sistema de Saúde do Reino Unido, a empresa americana Fedex (a maior empresa de entrega do mundo) e órgãos brasileiros como a Previdência Social e o INSS. Foi noticiado que o intuito dos hackers é roubar e reter dados para posteriormente solicitar pagamento em troca das informações e acessos.

Vários Hospitais no Reino Unido foram forçados a recusar pacientes por causa da inoperância dos seus computadores. Nos Estados Unidos, além da Fedex, uma pequena quantidade de organizações foi infectada. Isso porque os hackers visaram mais as empresas da Europa.

Uma fabricante de software Russa relatou que seus pesquisadores observaram mais 45 mil ataques em torno de 74 países, desde o inicio da sexta-feira. Outros dados foram divulgados mais tarde, pela conhecida Avast, empresa de software de segurança, relatando uma totalidade de 55 mil computadores afetados em quase 100 países.

No Brasil, o ataque deixou todos os postos de atendimento da Previdência Social sem funcionamento. Em nota, o INSS informou que na sexta-feira do ataque, todos os atendimentos foram adiados, e todos os serviços foram suspensos. A Petrobras e a Telefônica também foram atingidos.

Na internet brasileira, muitas páginas do governo federal ficaram fora do ar, como a página do Ministério do trabalho e da Previdência social. Os telefones desses órgãos também ficaram inoperantes.

 

 

Estilo de luxo dos os empreendimentos incorporadora JHSF

Se você já visitou um prédio residencial de alto padrão na região nobre, um dos hotéis Fasano ou um dos shopping centers da cidade de São Paulo, muito provavelmente esteve em um dos muitos empreendimentos da JHSF. A empresa brasileira com sede em São Paulo completou 45 anos como uma das principais líderes no setor imobiliário de alto padrão e continua a investir em novos empreendimentos no Brasil, nas regiões Sudeste, Norte e Nordeste.

A empresa foi fundada em 1972 por quatro sócios, entre eles os irmãos Fábio e José Roberto Auriemo e sob o nome de JHS Construção e Planejamento Limitada. Nas décadas que se seguiram, a empresa realizou empreendimentos importantes como a construção do Hotel Transamérica Ilha de Comandatuba na Bahia e a ampliação e modernização da pista de treino da General Motors. Em 2001, a empresa construiu o Shopping Metrô Santa Cruz na capital Paulista, o primeiro de sua categoria a ser completamente integrado a uma estação de metrô. Ainda dentro do ramo de Shopping Centers, a JHSF também foi responsável pela construção de outros empreendimentos como o Shopping Cidade Jardim em São Paulo, o Shopping Bela Vista na Bahia e o Shopping Ponta Negra em Manaus, região norte do País.

Além da sua divisão de shoppings, possui outras quatro divisões: Hotéis, Retail, Incorporações e Propriedades. Estas outras divisões são responsáveis pela administração, por exemplo, da grife do Hotel Fasano, adquirida pela empresa em 2007 e com hotéis em São Paulo e no Rio de Janeiro. Outro empreendimento a ser citado é o Parque Cidade Jardim, que incluí além do shopping center e possui área residencial e comercial, com o Cidade Jardim corporate center. Os trabalhos das diversas divisões da empresa renderam a ela diversos prêmios, entre eles a nomeação pela Worth Magazine de um de seus edífícios, o Vitra, como um dos 10 melhores edifícios residenciais do mundo, o prêmio melhor empresa do ramo imobiliário, entregue à JHSF pela revista época em 2012, o prêmio PINI de melhor incorporadora, recebido pela empresa em 2014 entre diversos outros. Desde 2007, a empresa possui capital aberto na Bolsa de Valores de São Paulo.

Dentro do ramo da sustentabilidade e responsabilidade social, um dos empreendimentos citados acima, o Cidade Jardim Corporate Center pode se orgulhar de ser um dos poucos a ostentar o certificado AQUA, entregue pela fundação Vanzolini e atesta para a qualidade ambiental do projeto. Além disso, a empresa atua também com projetos sociais na comunidade ao entorno de seus empreendimentos. Pode-se citar, entre eles, o apoio dado à Associação Criança Feliz, ao projeto Ecofuturo da biblioteca Ler é Preciso e à Irmandade Santa Casa de Misericórdia da cidade de Porto Feliz, em São Paulo.

Ao longo de suas mais de quatro décadas de atuação, a JHSF consolidou-se como uma empresa referência no ramo imobiliário de alto padrão no mercado brasileiro, construindo e administrando diversos empreendimentos importantes e consagrando-se não apenas pela inovação e qualidade de seus empreendimentos, mas também pela responsabilidade social e ambiental de suas obras.