Marcio Alaor relembra a alta que a Bovespa não tinha desde 2012

Se o clima do nosso país ainda é, muito certamente, o de crise econômica, ao menos tivemos uma boa notícia nos últimos dias, como lembra o executivo do Banco BMG, Marcio Alaor, sobre ter fechado a Bovespa em alta, na penúltima terça-feira do mês de janeiro, dia 24, pelo 3º pregão seguido. Dessa forma, com o avanço de 1,9%, chegando-se então aos 65.748 pontos no principal índice da Bovespa, consequentemente, atingiu-se o maior patamar desde quase cinco anos atrás, quando o Ibovespa fechou a 66.037 pontos, no dia 27 de março de 2012. Todavia, o referido executivo lembra que essa pontuação atingida pela bolsa em questão, ainda que positiva, não está nada próxima do pico de pontuação do Ibovespa, que foi de 73.516 pontos e ocorreu no dia 20 de maio de 2008.

Mas o executivo Marcio Alaor, que é reconhecido por seu trabalho no Banco BMG, reporta ainda, pela pertinência do fato, que a referida alta na bolsa teve como suporte os ganhos de ações relacionadas a commodities, com destaque maior para as da Vale e também as da Petrobras. Falando primeiro da Vale e suas ações, ele lembra que a subida foi superior a 2%, estando assim entre as maiores altas do já citado índice, logo depois de alcançarem, no dia anterior, as máximas de fechamento desde os meses de fevereiro de 2013 e novembro desse mesmo ano. E também pontua ter sido uma reação positiva da mineradora ao atual avanço dos preços do minério de ferro, subidos, no caso da China, devido à expectativa de uma demanda posterior ao feriado do Ano Novo Lunar, quando os mercados permanecerão fechados por uma semana, começando a partir da sexta-feira.

Já sobre a subida das ações preferencias da nossa petroleira, Marcio Alaor do Banco BMG, noticia que isso se deu porque espelharam a alta do preço do petróleo que subiu, no mercado global, com evidências de aperto de oferta. Ele lembra que houve também a notícia sobre a Petrobras aumentar o limite da oferta de recompra de títulos, que era antes de US$ 4 bilhões, passando então para os US$ 6 bilhões, mais precisamente aqueles com vencimento entre o mês de janeiro de 2019 e o mês de março de 2020.

Ainda sobre a questão, e apesar dessa alta no Ibovespa, o mesmo executivo do Banco BMG, Marcio Alaor, reporta também que o BM&FBovespa ON teve uma queda superior a 2%, em contraposição. Nesse interim, caíram as ações de dois bancos, enquanto que outros dois fecharam com alta. Os primeiros, em situação negativa, foram Banco do Brasil e Santander; Itaú Unibanco e Bradesco foram os outros dois, em situação positiva. E sobre a situação toda, um analista da Clear Corretora, Raphael Figueredo, conclui que não está esgotado o potencial de alta da Bovespa, mesmo que não se descarte um possível movimento de correção.

Por fim, Marcio Alaor do Banco BMG, não poderia deixar faltar a informação de que, na véspera da referida terça-feira, ou seja, no dia 23 de janeiro deste ano, já tinha fechado em alta de 2%, o já tão citado indicador, obviamente que impulsionado pelas mesmas já explanadas ações de siderurgia, mineração e grandes bancos, ainda que se destacava mais a Usiminas, cuja valorização passou os 6%, além da Gerdau Metalúrgica e Gerdau.